Estudantes do maternal ao ensino médio apresentaram para as famílias e a comunidade os conteúdos aprendidos em sala de aula

Entre 21 e 29 de setembro, a Escola Professor Jairo Grossi promoveu a Mostra de Conhecimento. Nela, os alunos exibiram, juntamente com seus professores, trabalhos que demonstram de forma prática os conhecimentos adquiridos em sala de aula. A programação contou ainda com o lançamento de dois livros da escritora caratinguense Marilene Godinho, além de outros dois livros e uma revista compostos pelos próprios estudantes.

Cada série foi incumbida de desenvolver um tema, associando com as matérias da grade curricular e com sua realidade. Questões como o cuidado com a natureza, alimentação, a relação do ser humano com o mundo e consigo mesmo. “A cada ano, damos enfoque em uma área diferente, e este ano a Mostra de Conhecimento é multidisciplinar”, conta a supervisora pedagógica Poliana Marques, responsável pelos trabalhos do quinto ano do ensino fundamental. “A proposta é tirar os alunos da zona de conforto, porque eles têm aula normalmente, e paralelamente a elas, foram orientados pelos professores para montar as apresentações. Houve muito envolvimento de toda a equipe”, completa Magaly de Araújo Gomes, que supervisionou os trabalhos do ensino médio.

O processo envolveu uma boa dose de criatividade para que fossem montados os stands de exposição dos trabalhos. “Abordamos todo o processo de produção de flores e frutos, com a participação dos animais polinizadores, como as abelhas. Durante a mostra trouxemos a degustação desses frutos e montamos um ambiente com plantas para ilustrar. Foi muito gratificante”, descreve Jusélia Pereira, professora do quarto ano do Ensino Fundamental.

Para os estudantes, o desafio de levar ao público uma demonstração prática dos conteúdos trabalhados foi também a oportunidade de descobrir talentos e se divertir. “Minha turma teve que criar um boneco que fosse da nossa altura, o que foi difícil, mas contamos com a ajuda das nossas famílias. Passei bastante tempo com meus pais e até com a minha irmãzinha, que tem três anos, também ajudou”, relata Giovanna Rita Soares, aluna do sexto ano do Ensino Fundamental.

INCENTIVO À LEITURA

Em meio à exibição de trabalhos dos alunos, a Mostra de trouxe dois momentos especiais, com o lançamento de obras literárias. O primeiro foi da escritora Marilene Godinho, que esteve no auditório da instituição no dia 26 para apresentar as obras “Dança do Piolho” e “Na garupa do sonho”. Prestes a completar 40 anos de trajetória, ela se declarou orgulhosa de contribuir com a criação do hábito da leitura em meninos e meninas. “Vejo que o que eu plantei realmente floresceu. As crianças amam ler, querem ficar perto dos livros, e isso é muito gratificante”, afirma.

Na ocasião, a escritora fez uma contação de história para alunos do ensino fundamental. O enredo mostrava a importância de respeitar a diversidade. “As diferenças é que fazem o mundo ser mais bonito. Somos diferentes, mas somos iguais no coração, temos os mesmos sentimentos, os mesmos momentos de alegria e tristeza. Temos que ter respeito e amor às diferenças”, ressalta.

O segundo lançamento de obras literárias aconteceu no dia 29, quando foram lançados dois livros e uma revista como parte do projeto “Identidade – Ser e parecer: quem somos?”, que engloba estudantes do sexto ao nono ano do ensino fundamental. Todas as obras são de autoria dos estudantes, sendo os livros “Galeria de Identidades” e “Identidade e Intertextualidade” compostos pelo sexto e sétimo ano, respectivamente, e a revista “Identidade” pelo oitavo.

De acordo com a professora Elisa Marques, que leciona Literatura e coordena a Área de Linguagem da escola, o material publicado é a sistematização de todos os trabalhos produzidos na classe com esse tema. “Tivemos na mostra a exposição de alguns textos, e os outros estão nos livros ou na revista, como amostra para a posteridade”, explica. “Descobrimos muitos artistas durante esse processo. Nas capas, nos intertextos, em várias partes da produção. Tenho certeza de que nós só ganhamos com esse projeto”.

Uma das autoras é Sophia Roberto Cezário, do sétimo ano. Ela afirma que gostou da experiência como escritora. “Achei fácil, mas foi trabalhoso expressar de forma mais ampla as minhas ideias. Aprendi que a identidade é algo que devemos preservar durante toda a vida, que não devemos mudar a forma de ser por causa das outras pessoas e que devemos ser livres para expor nossas ideias”, conta a aluna.

Fonte: www.diáriodecaratinga.com.br